quinta-feira, 13 de maio de 2010

Amizade

Confiança, afeição, aliança, dedicação, apreço, respeito, camaradagem, consideração, ternura, aconchego, compreensão, solidariedade, felicidade.

Amizade é própria de quem se quer bem; é o sentimento que aproxima as pessoas. Além disso, é um dos poucos (se não o único) antídoto contra a solidão. E não precisa ser uma amizade grandiloquente, do grude 24 horas. Uma amizade pode ser, ao mesmo tempo, leve como uma brisa e forte como uma ventania. Falo aqui da amizade entre indivíduos do mesmo sexo, bem como de sexos opostos... Falando em amizade entre homens e mulheres, sou adepta ao que escreveu Martha Medeiros em uma de suas crônicas: “Quando ouço que não existe amizade entre homem e mulher por causa da possibilidade de um envolvimento amoroso, me pergunto: E daí? Qual o problema de haver sensualidade no ar?”. Amigos homens são tão imprescindíveis quanto as amigas mulheres. Amigo homem é bom por que eles não falam toda hora sobre roupas, bolsas, liquidações e namoricos. Amigo homem ri das nossas manias, não faz drama e, sob hipótese alguma, vai pedir roupa emprestada.

Para os filósofos gregos a amizade era sempre expressão da virtude. Pitágoras, que dirigia pessoalmente um grupo filosófico de amigos, chamava a amizade de mãe de todas as virtudes. Para Sócrates o amigo tem que ser como o dinheiro, que antes de necessitá-lo, sabe-se o valor que tem. Ser amigo não é coisa de um dia. São gestos, palavras e sentimentos que se solidificam com o tempo e não se apagam jamais.

Em minhas buscas por definições para o termo “amigo”, acabei por encontrar o seguinte trecho: “Animal ou vegetal que se dá bem com alguém ou alguma coisa”. No mesmo instante fiquei meio chocada com a palavra “vegetal”, mas após refletir um pouco, percebi que a afirmação é real: quem nunca teve, afinal, um amigo em estado vegetativo, (daqueles que necessitam ouvir “Respire. Isso te manterá vivo”)? Eu tenho um.

Amigos são de todo tipo: Existem aqueles amigos malas, mas que, nem por isso, deixam de ser nossos amigos, amigos CDF’s (ou nota 10) que passam o dia sobre os livros e cadernos, amigos com vocação pra animadores de festa infantil, amigos fantásticos com os quais você passaria horas conversando sobre filmes, livros, história, e, até mesmo, lhamas, caso o assunto se esgote. Amigos com os quais se tem liberdade para conversar sobre sentimentos escusos e sobre a forma como se sente em relação a determinados fatos. Amigos que te entendem. Amigos pra tomar um chopp num sábado à noite. Amigos “das antigas” ou recentes. Amigos que criticam. Amigos generosos. Amigo virtual. Amigos que se mantêm amigos até mesmo no silêncio da distância.

Embora existam inúmeros tipos de amigos, e cada amigo com uma personalidade própria, sempre haverá algum (ou alguns) que nos encanta(m) mais. Amizade também é compartilhar. Querendo ou não, todos temos um perfil. Temos um conjunto de características que nos torna únicos. Acabamos por oferecer estas características aos demais, enquanto que os outros fazem a mesma coisa em relação à gente. Caso haja empatia pela essência alheia, que é compartilhada na troca, surgirá uma afinidade imensa, uma consideração infinita e uma aliança inacreditável.

Fica aqui, então, uma singela homenagem, bem como um agradecimento aos meus amigos, principalmente àqueles que tanto me encantaram e continuam me encantando em função da singularidade de seus jeitos, modos, ações e pensamentos (Não citarei nomes, por que eles sabem quem são). Cada bom amigo que tenho me aperfeiçoa e me enriquece, não pelo que me dá, mas pelo quanto me torna capaz de descobrir sobre mim mesma.

6 comentários:

Aline disse...

Profundo...

Suellen disse...

Sou sua amiga virtual? aheoiaheo Beijão!

Luana disse...

Está cada vez mais inspirada!

Mensagem linda e muito profunda!

Bjus

Tiago disse...

Teu texto é leve como uma pluma, e direto como uma bala! Parabéns, tens alma de escritora... por favor, nunca perca isso!

Lana disse...

lindo!!!

sem paçlavras, captastes bem a essencia do "amigo"...

beejos

Marcos disse...

Que vocação para a escrita, mocinha!!!

Sem sombras de dúvida eu sou o amigo mala... E põe mala nisso... hahaha!

Beijão, Carina!